Mundo estranho

Vejam em que mundo bizarro nós vivemos. A notícia a seguir é real. Não parece. Mas é real:

Um casal bósnio está se divorciando, depois de descobrir que um traía o outro em chats na Internet. Detalhe: eles começaram o relacionamento virtual usando pseudônimos, e só descobriram a verdade quando combinaram um encontro real com os “novos parceiros”.

Sana Klaric, 27 anos, e seu marido Adnan, 32, usavam os nomes de “Sweetie” e “Prince of Joy” em salas de bate-papo. Conheceram-se e iniciaram uma relação, confidenciando-se mutuamente os problemas que tinham em seu casamento. Os dois, de acordo com reportagem publicada no site Metro.co.uk, estavam convencidos de terem finalmente encontrado sua alma gêmea.

Então, resolveram marcar um encontro real para se conhecerem e descobriram a verdade. Agora, o par está em processo de divórcio, e um acusa o outro de ter sido infiel.

“De repente, eu estava apaixonada, era maravilhoso, parecia que ambos estávamos amarrados no mesmo tipo de casamento infeliz”, contou Sana. “Depois, me senti tão traída”, disse.

Adnan, continua sem poder acreditar no que aconteceu. “É difícil pensar que Sweetie, que escreveu coisas tão maravilhosas para mim, é na verdade a mesma mulher com quem me casei e que, por anos, não foi capaz de me dizer uma única palavra agradável”.

Essa notícia maluca seria cômica, se não fosse trágica! Tá, tudo bem, é um fato cômico. Mas também não deixa de ser trágico, por mostrar a qual ponto nossa “civilização” chegou.

Falando sério, às vezes eu olho para trás, por tudo que já presenciei nesta minha insignificante existência aqui nesse planeta, e não reconheço o mundo em que vivemos. Nesse mundo, parece que já não há mais espaço para as amizades sinceras, para o amor verdadeiro, para o diálogo entre as pessoas… E tudo o que vemos hoje são amantes que não se amam; beijos sem gosto; egoismo, frieza e frigidez latentes; ignorância quase medieval; narcisismo exacerbado pelos milhares de acessos que se tem nas redes sociais (que aliás, não socializam muito, deixam apenas o indivíduo cada vez mais isolado numa ilha de bytes); e por aí vai…

Olhando para a história desse casal, eu fico imaginando mil e uma coisas (talvez mais). Fico pensando em como eles se conheceram; nos milhares de sonhos que tinham depois que se deitavam ao lado um do outro exauridos por uma boa trepada orgástica e nas juras de amor eterno que trocaram ao longo do tempo. Penso nos inúmeros momentos de agonia e desespero de ambos ao perceberem, de repente, que talvez o mundo não seja tão cor de rosa quanto imaginaram antes e como palavras de amor pronunciadas podem se esvair ao sabor do vento. Penso na angústia de cada um, ou mesmo dos dois, se eles tiverem se casado contra a vontade, ou pressionados por alguma circunstância da vida. E fico imaginando como duas pessoas, ainda com tanto amor para dar a um “estranho” na internet, não tem amor suficiente para ceder um pouco suas determinações ou mesmo reconhecer alguns erros e não ser capaz de olhar para quem está ao seu lado, também sedento de amor, e que também amou um dia, e tentar uma reconciliação.

Não. No mundo de hoje, às vezes é mais fácil acusar o outro de traição e tentar ganhar alguma grana na justiça. É mais fácil apontar para o outro e culpa-lo pela sua própria infelicidade. É mais cômodo, talvez, acalentar um “amor perfeito”, um “príncipe” ou “princesa” encantados de um mundo virtual, do que tentar encarar a realidade desgastante dessa nossa vida medíocre, porém real.

Não sei. Não quero julgar. Não posso e nem devo julgar. Mas como alguém que trai um outro pode dizer palavras como “De repente, eu estava apaixonada, era maravilhoso, parecia que ambos estávamos amarrados no mesmo tipo de casamento infeliz… Depois, me senti tão traída”?! Ou “É difícil pensar que Sweetie, que escreveu coisas tão maravilhosas para mim, é na verdade a mesma mulher com quem me casei e que, por anos, não foi capaz de me dizer uma única palavra agradável”?! Como é que pode isso?!

Será que eles não perceberam que ambos se apaixonaram por pessoas “adormecidas” em si mesmas? Se estavam tão infelizes, por que não conversaram sobre isso? Por que não buscaram uma forma menos fugidia de encarar as coisas e não se separaram de vez? Se seus amantes virtuais fossem realmente outras pessoas diferentes, até quando eles iam sustentar a mentira do casamento só para manter as convenções? Só para dar uma satisfação à sociedade?

Não sei como terminar esse texto. São muitas perguntas ainda por fazer. Muitas coisas ainda a imaginar. E muita perplexidade diante desse mundo estranho em que vivemos hoje… Fico por aqui. Até breve!

Anúncios

Um comentário sobre “Mundo estranho

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s