Recruta Zero escreve nota sobre intervenção militar

Parece que o Recruta Zero é a personagem por trás da redação do relatório das Forças Armadas sobre o Sistema Eletrônico de Votação (SEV) e da nota expedida hoje (11/11/22), às 7h da manhã, na página oficial do Exército Brasileiro.

Acontece que a presepada do tal relatório, com suas ambiguidades, gerou muita discussão e críticas ao caráter da instituição que, acima de tudo, deveria servir aos interesses do Estado e não ao governo. Então, chamaram o Zero de novo e mandaram que ele redigisse a tal nota para esclarecer os fatos.

A nota diz basicamente o seguinte:

1- De acordo com a Lei nº 14.197, de 1º de setembro de 2021, “Não constitui crime […] a manifestação crítica aos poderes constitucionais nem a atividade jornalística ou a reivindicação de direitos e garantias constitucionais, por meio de passeatas, de reuniões, de greves, de aglomerações ou de qualquer outra forma de manifestação política com propósitos sociais”.

2- “Assim, são condenáveis tanto eventuais restrições a direitos, por parte de agentes públicos, quanto eventuais excessos cometidos em manifestações que possam restringir os direitos individuais e coletivos ou colocar em risco a segurança pública; bem como quaisquer ações, de indivíduos ou de entidades, públicas ou privadas, que alimentem a desarmonia na sociedade”.

Só que, o que o Zero esqueceu de dizer é que, acima da Lei n° 14.197, existe uma lei maior que é a Constituição Brasileira e que, em seu artigo 34, estabelece em quais situações o Governo Federal pode intervir nas competências de um ente da federação, isto é, de um estado ou do Distrito Federal. A possibilidade de intervenção federativa – principal reinvindicação das manifestações que perturbam o Brasil desde o resultado das eleições presidenciais – existe desde 1891, quando foi promulgada a primeira constituição pós proclamação da República. Mas tem critérios rigorosos, de modo que, qualquer infração a estes critérios constitui crime.

Os manifestantes bolsofascistas, financiados por empresários interesseiros – como já vêm demonstrando as investigações da Polícia Federal nos últimos dias – esquecem que o Brasil é uma República Federativa, o que significa, na prática, que municípios, estados e Governo Federal têm responsabilidades próprias e AUTONOMIA em sua gestão e políticas, sem que um deles interfira nas atribuições dos demais. As exceções são APENAS:

1- Para coibir grave comprometimento da ordem pública, com o objetivo de garantir a incolumidade física, mental e dos bens das pessoas.

2- Para manter a integridade nacional, caso uma parte do país se declarar independente.

3- Para repelir invasão estrangeira ou de uma unidade da Federação em outra.

4- Para garantir o livre exercício de qualquer dos Poderes nas unidades da Federação, caso um deles esteja em risco.

5- Para reorganizar as finanças da unidade da Federação.

6- Para prover a execução de lei federal, ordem ou decisão judicial.

7- Para assegurar a observância de princípios constitucionais sensíveis, tais como: A forma republicana; o sistema representativo e o regime democrático; os direitos da pessoa humana; a autonomia municipal; a prestação de contas da administração pública, direta e indireta; e a aplicação do mínimo exigido da receita resultante de impostos estaduais, compreendida a proveniente de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino e em ações e serviços públicos de saúde.

Fora isso, qualquer tentativa de intervenção militar ou federal (como querem os bolsofascistas) constitui GOLPE e é CRIME!

Mas o que é que o Recruta Zero quis dizer na nota? – Que as manifestações, desde que sejam pacíficas, são legítimas.

Então, partindo desse pressuposto, qualquer manifestação que reivindique crime, desde que pacífica, é uma manifestação legítima?!

Pera lá, Recruta Zero! Então, assim, se eu faço uma manifestação racista em praça pública; se eu peço ajuda de milicianos; se eu reivindico a liberação da tortura; se eu defendo o tráfico ilícito de entorpecentes, ou se eu faço uma manifestação pedindo o direito de cometer crimes hediondos ou atos de terrorismo, desde que minha manifestação seja pacífica, tá tudo bem? Tudo certo??? Porque, assim como a intervenção federal, todos estes crimes citados estão igualmente previstos na Constituição Federal! É isso mesmo que eu entendi, recruta Zero?!

Então, eu proponho que as Forças Armadas mostrem que ainda possuem alguma autoridade e parem de baixar cabeça para os atos insanos, perversos e indecentes do governo e declarem de uma vez por todas: NÃO VAMOS SER CONINVENTES COM NENHUM TIPO DE GOLPE. NÃO PERMITIREMOS MANIFESTAÇÕES CRIMINOSAS FINANCIADAS POR INTERESSES PARTICULARES. NÃO HOUVE FRAUDE NAS ELEIÇÕES DE 2022. PAREM DE CHORO E MIMIMI E VOLTEM AGORA PARA SUAS CASAS. VÃO PROCURAR UMA LAVAGEM DE ROUPA PARA SE OCUPAREM!

É isso. Anota isso aí, Zero!

Os sofistas do planalto

Vamos recorrer ao dicionário de língua portuguesa: O que é SOFISMA? – Substantivo masculino. 1.LÓGICA argumento ou raciocínio concebido com o objetivo de produzir a ilusão da verdade, que, embora simule um acordo com as regras da lógica, apresenta, na realidade, uma estrutura interna inconsistente, incorreta e deliberadamente enganosa. 2.LÓGICA argumentação que aparenta verossimilhança ou veridicidade, mas que comete involuntariamente incorreções lógicas; paralogismo. 3.POR EXTENSÃO qualquer argumentação capciosa, concebida com a intenção de induzir em erro, o que supõe má-fé por parte daquele que a apresenta; cavilação. 4.POR EXTENSÃO INFORMAL mentira ou ato praticado de má-fé para enganar (outrem); enganação, logro, embuste. Origem ETIM gr. sophisma, atos ‘habilidade, destreza; artifício, intriga; sofisma’. Podemos acrescentar também 5. NO BRASIL BOLSOFASCISTA relatório técnico de fiscalização do sistema eletrônico de votação divulgado pelo Ministério da Defesa e Forças Armadas em 09 de novembro de 2022 sobre apuração das urnas eletrônicas no pleito majoritário.

Exemplos práticos de sofisma: 1. “Todo brasileiro gosta de futebol. Eu não gosto de futebol. Logo, eu não sou brasileiro” – ainda que eu tenha nascido e me criado no Brasil e tendo pai e mãe brasileiros. 2. “Não há provas científicas da existência de Deus. Mas também não há provas científicas de sua não existência. Logo, Deus pode existir ou não existir”. 3. “Não se pode constatar fraude na votação por urnas eletrônicas nas eleições majoritárias do Brasil em 2022. Mas o sistema não está totalmente livre de inconsistências que podem ser melhoradas. Logo, não houve fraude (mas pode haver) nas eleições majoritárias do Brasil em 2022”.

O relatório técnico de fiscalização do sistema eletrônico de votação divulgado pelo Ministério da Defesa e Forças Armadas em 09 de novembro de 2022 é composto de 63 páginas e está disponível neste link: https://download.uol.com.br/files/2022/11/2224417647_relatorio_defesa.pdf

Vamos ao resumo ponto por ponto:

  1. INTRODUÇÃO

As Forças Armadas foram convidadas em 2019, através da Resolução TSE n°23.603, para integrar o rol de entidades fiscalizadoras do Sistema Eletrônico de Votação (SEV). Para tanto, foi constituída a Equipe das Forças Armadas de Fiscalização e Auditoria do Sistema Eletrônico de Votação (EFASEV), subordinada ao Ministério da Defesa. Contudo, apesar da equipe levar no nome o termo AUDITORIA, ficou estabelecido em reunião realizada em 01 de agosto de 2022, que a atividade de AUDITORIA é de EXCLUSIVIDADE do Tribunal de Contas da União (TCU), ficando a EFASEV restrita à função de FISCALIZAÇÃO, ou seja, “ato de verificar se algo está ocorrendo como fora previsto”.

Como esclarece o próprio relatório, “não é escopo deste documento avaliar o grau de segurança do SEV. Assim, a descrição das constatações decorrentes do processo fiscalizatório tem o intuito ímpar de apresentar à Corte Eleitoral CONTRIBUIÇÕES PARA UM EVENTUAL APERFEIÇOAMENTO” – o que é completamente natural em se tratando de qualquer sistema criado e desenvolvido pelos seres humanos.

Dito isto já na introdução do documento, a discussão sobre este relatório já deveria encerrar por aqui, não fosse o caráter dúbio de todo o restante do texto.

2. ACESSO AO CÓDIGO-FONTE

A EFASEV concluiu que o acesso ao código-fonte, devido às restrições impostas pelo TSE, “apesar de ter propiciado algum avanço na transparência do processo, não foi efetiva para atestar o correto funcionamento do sistema”.

Ora, estas restrições, estão previstas na Resolução TSE n°23.673/2021. E são perfeitamente corretas, uma vez que a AUDITORIA do sistema cabe EXCLUSIVAMENTE ao TCU. E o que foi que o presidente em exercício do TCU, ministro Bruno Dantas, declarou em coletiva à imprensa no dia 26 de setembro de 2022? Ele declarou que “Primeiro: As urnas eletrônicas são AUDITÁVEIS. Segundo: As urnas eletrônicas são CONFIÁVEIS. Terceiro: As urnas eletrônicas são TRANSPARENTES”.

Mas o relatório da EFASEV aponta que a equipe só pôde ter acesso à Sala de Inspeção portando somente papel e caneta para que fosse realizada apenas “análise estática”. Não foi autorizado acesso ao sistema de controle de versões do SEV; não foi concedido acesso às bibliotecas de software. Em outras palavras: A EFASEV queria ter acesso a dados que são EXCLUSIVOS do órgão responsável pela AUDITORIA. E o TSE agiu correto ao restringir tais acessos por medida de segurança.

3. CERIMÔNIA DE ASSINATURA DIGITAL E LACRAÇÃO DOS SISTEMAS

A EFASEV concluiu que “para conduzir uma análise técnica eficiente, seria necessária a disponibilização, pelo TSE, do código-fonte a ser compilado, com o respectivo sistema de controle de versões”. Ou seja, a EFASEV, insiste em reclamar não ter acesso a dados que são EXCLUSIVOS do órgão responsável pela AUDITORIA, o TCU. Quando devia ter se restringido apenas a verificar se a cerimônia de assinatura digital e lacração dos sistemas ocorrera dentro do previsto – que era a sua atribuição.

4. CERIMÔNIA DE GERAÇÃO DE MÍDIAS E DE PREPARAÇÃO DAS URNAS

“Diante do que foi analisado, não foram identificadas inconformidades nos trabalhos executados pelos TRE nas localidades visitadas durante a preparação das urnas em ambos os turnos”.

5. CERIMÔNIAS DE VERIFICAÇÃO DOS SISTEMAS ELEITORAIS INSTALADOS NO TSE E DE “ZERÉSIMA” DO SISTEMA DE TOTALIZAÇÃO

A EFASEV conclui que “a atividade é importante” (óbvio). “No entanto, terminais de consulta poderiam ter sido disponibilizados aos representantes das entidades fiscalizadoras […] permitindo o acompanhamento detalhado dos scripts de inicialização”.

Aqui eles reclamam que “todos estes procedimentos foram executados por técnicos do TSE, cabendo às entidades fiscalizadoras apenas a observação das atividades, a distância, através de um telão no auditório do TSE”. Creio que o perigo aqui é que o TSE pudesse encenar a zerésima da mesma forma que, em 1968, a NASA encenou a chegada do homem à Lua…

6. TESTE DE INTEGRIDADE

Concluiu-se que o teste de integridade “foi realizado em conformidade com o previsto”.

7. PROJETO-PILOTO COM BIOMETRIA

“Foi um teste inconclusivo para a detecção de eventuais anomalias no funcionamento das urnas”.

8. VERIFICAÇÃO DA CORREÇÃO DA CONTABILIZAÇÃO DOS VOTOS

“Conclui-se que a verificação da correção da contabilização dos votos, por meio da comparação dos Boletins de Urna (BU) impressos com os dados disponibilizados pelo TSE, ocorreu SEM APRESENTAR INCONFORMIDADE”.

Por fim, o ponto 9 (IX) faz apenas apontamentos de melhoria no sistema a título de sugestões para pleitos futuros. E o ponto 10 (X), a conclusão, faz apenas um grande resumo de tudo que foi apontado no relatório.

A sensação que fica ao concluir a leitura deste relatório é a de que as Forças Armadas Brasileiras foram pegas de calças curtas. Em um contexto político natural, o relatório teria tido outro tom, digamos, menos sofismático.

A canalhice não é das Forças Armadas, mas do seu Comandante Supremo, o presidente da República que, plenamente consciente de sua derrota nas eleições, tratou de usar sua posição privilegiada junto ao Ministério da Defesa, para impor a extrapolação da fiscalização, de modo que as Forças Armadas tiveram que recorrer o tempo todo, na redação do relatório, a sofismas retóricos.

O fato é que, trocando em miúdos, o SEV é auditável, confiável e transparente, como bem esclareceu o ministro Bruno Dantas do TCU. E os bolsonaristas inconformados já podem sair das portas dos quartéis e ir chorar sua derrota em casa, sem incomodar a maioria da população que precisa trabalhar e viver a vida.

Pera lá, valentão!

As discussões sobre a violência estabelecida em certas condições de convívio social são cada vez mais debatidas na mídia, nos ambientes de trabalho e, principalmente nas escolas, onde brincadeiras intimidadoras, pressões psicológicas e até mesmo agressões físicas se fazem presentes.

Nos últimos anos, os termos bullying e sua tradução literal (do inglês) “assédio moral” passou a valer para qualquer situação social em que pessoas com forças sociais distintas geram uma relação unilateral de agressividade e animosidade. E aqui vou me restringir ao termo “assédio moral” por três motivos: O primeiro, porque detesto me utilizar de estrangeirismos desnecessários nos meus textos. Segundo, pelo termo em inglês ser mais comum aqui no Brasil no contexto escolar de crianças e adolescentes. E, terceiro, porque o que vem acontecendo no país de uns anos para cá, com a ascensão do bolsofascismo, é o tipo de crime que extrapola os limites – seja do bullying, seja do assédio moral.

Aliás, vale salientar que, de maneira estrita, o assédio moral não é tipificado como crime no Brasil, uma vez que, para isto, precisaria haver sua caracterização como infração prevista na legislação e, nesse sentido, não existe um dispositivo penal que trata especificamente sobre o assédio moral como algo passível de sanções na legislação brasileira vigente. No entanto, condutas inerentes ao assédio moral, como a submissão de alguém a reiteradas condições rejeitadas por essas pessoas; comportamentos agressivos de forma psicológica e física; abusos diversos e inúmeras maneiras de coação/coerção são consideradas infrações tipificadas em lei. Assim, quase todas as práticas que configuram aquilo que entendemos por assédio moral, são infratoras do código penal com punições previstas para quem as pratica, que vão desde multas e prestação de serviços sociais em casos leves até prisão de, no máximo, três anos.

Agressão física, por exemplo, é julgada como lesão corporal, sendo possível que os reiterados abusos no ambiente de convívio da vítima sejam citados durante o processo. Em alguns casos, é possível que parte da pena inclua uma ordem de restrição para a aproximação do agressor em relação à sua vítima. Abusos de caráter psicológico também podem ser punidos através de provas de sua ocorrência e, até mesmo, de laudos médicos e psicológicos que atestem as consequências daquelas condutas agressivas no desenvolvimento de problemas para a pessoa agredida. Ambas as práticas podem ser denunciadas formalmente em delegacias.

Dito isto, volto ao ponto que quero destacar nesta crônica: As condutas canalhas e criminosas dessa gente (se é que podem ser tratados assim) que se diz apoiadora do arremedo de ditador Jair Bolsonaro – os fascistoides bolsonaristas ou, como prefiro chama-los, os bolsofascistas.

Mas antes de prosseguir é preciso dizer uma coisa: Apesar dessa polarização ideológica que se instaurou no Brasil nos últimos anos, o espectro da política que vai da esquerda à direita é muito amplo, de modo que, assim como existem os partidários canalhas e autoritários da extrema esquerda, existem também os partidários mais moderados e de bom senso da direita…

Volto, portanto, mais uma vez, a minha atenção aqui para os bolsofascistas. E por que uso a referência do fascismo nesse neologismo? Porque essa ala mais radical de eleitores do Bolsonaro compactua com o modelo político neofascista de seu líder – ou líderes, se contarmos com o 01, o 02, etc.

Veja bem: O que é o fascismo? – Uma ideologia política ultranacionalista (“Brasil acima de tudo…”) e que, entre outras características, despreza a democracia eleitoral (pondo em dúvida os resultados das urnas, por exemplo); prega o liberalismo econômico (a “uberização” da economia); crê numa hierarquia social natural (meritocracia) e no domínio das elites sobre as minorias sociais; defende um governo militarista, etc. – além de elementos mais abstratos como a promoção da masculinidade e da juventude (“imbroxável”); o simbolismo romântico (família tradicional); a mobilização em massa (motociatas) e uma visão positiva da violência (lei do armamento).

Para o escritor, filósofo e semiólogo italiano Umberto Eco, o fascismo se baseia no culto a tradição, a rejeição ao modernismo, o culto à ação pela ação, na comparação forçada entre dissidência e traição, o medo da diferença, o apelo a frustração social, a obsessão pelo golpismo, na alta expectativa quanto a força do adversário, na consideração do pacifismo como envolvimento com o inimigo, o desprezo pelo fraco, a educação para o heroísmo, o patriarcalismo bélico, um populismo seletivo e o uso de novilíngua (criação e uso de novas palavras como “petralhada”, “esquerdopata”, “luladrão”, etc.).

Sim. Assim como o fascismo clássico que floresceu na Itália de Mussolini a partir de 1919, temos uma versão tupiniquim de um neofascismo tosco que começou a aparecer em 2013, ganhou força com a eleição do mitológico imbroxável em 2018 e que entrou em delírio com a derrota do mesmo “mito” agora em 2022. É a esse fenômeno específico que chamo de bolsofascismo. E é em relação aos canalhas apoiadores dessa ideologia deplorável que eu nutro minha total repugnância.

Pois bem. É notório que os bolsofascistas são os “valentões” do momento. Como um gado raivoso, partem para cima de qualquer um que esteja trajando alguma peça de roupa vermelha ainda que seja por puro gosto pessoal. Agridem verbalmente, ameaçam de todas as formas (inclusive com arma de fogo, como a deputada Carla “Española” Zambelli e granada, como o “Bob Jeff”), cometem coação moral como a professora da Unifap que expulsou seus doutorandos “esquerdistas” e por aí vai…

Desde o primeiro turno das eleições desse ano (2022), eleitores que não votariam de jeito nenhum no presidente fascista demonstraram medo de expor seu voto e evitaram adesivar seu carro ou vestir a camisa do seu candidato (principalmente se fosse eleitor do Lula), com medo de sofrer represálias ou agressões gratuitas, como se não vivêssemos numa democracia!

Dia desses vi uma publicação no Facebook que dizia algo como “vencemos sem poder colocar um adesivo nos nossos carros”. Mas é claro que podíamos! No entanto, o medo foi maior na maioria das pessoas. E, sim, apesar dos pesares, a democracia venceu quase que totalmente silenciosa.

Mas uma pergunta que faço a mim mesmo, diante de tantas sandices que estamos vendo nesses últimos dias por parte dos “perdedores”, é a seguinte: O que fazer com um agressor? Bem, existem muitas respostas, evidentemente. Você pode procurar os meios legais, ir até uma delegacia, abrir um processo, etc. – pode até ganhar uma grana em cima do babaca. Você pode também orar e perdoar – se você for um crente em alguma coisa. Você pode também revidar a agressão – incorrendo no risco de ter que também responder criminalmente pelo seu ato (ainda que tenha sido em “legítima defesa”).

Enfim, seja lá o caminho que você escolha para lidar com isso, uma coisa eu posso afirmar: A única coisa que você jamais deverá fazer é demonstrar medo diante de um canalha desses. Porque o canalha “valentão” só é valente mesmo que está longe (principalmente escondido atrás de uma tela, numa rede social) ou quando está em grupo (em manada ou bando). Precisamos mais do que nunca mostrar nossa cara, fazer ouvir nossa voz! Se você que está lendo esse texto, assim como eu, não tolera mais esse delírio autoritário e criminoso desses bolsofascistas que se autoproclamam “cidadãos de bem”, não se cale. Não baixe a cabeça. Não seja conivente. Disso depende a sua liberdade e sua própria vida.

Então, pera lá, valentão! Somos mais de 60 milhões que disseram NÃO ao seu mito de estimação…

Rainha do cangaço é homenageada em disco da Mini Box Lunar

Maria Bonita, o mito do cangaço, nasceu no dia 29 de julho de 1938 após a morte brutal da mulher Maria Gomes de Oliveira, a Maria de Déa, ou Maria do Capitão, ser anunciada nos principais jornais do Rio de Janeiro, então capital do país.
Doze anos antes, porém, com apenas 15 anos de idade, Maria casou-se (de casamento arranjado) com seu primo Zé de Neném, sapateiro, alcoólatra, adúltero e violento. A menina era espancada toda vez que questionava o comportamento do marido. Logo, por vingança e gênio forte, começou a ter diversos casos extraconjugais. Até que, em um dia qualquer do ano de 1929 conheceu o temido cangaceiro Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, rei do cangaço, tornando-se sua amante.
Ainda nesse mesmo ano decidiu fugir com Lampião e tornou-se a primeira mulher a ingressar no cangaço. Eles tiveram uma única filha e viveram juntos por nove difíceis anos, até serem mortos numa emboscada no dia 28 de julho de 1938. A morte de Maria foi um ato de covardia do volante (policial) José Panta de Godoy que, depois de acertar um tiro no abdômen e outro pelas costas, a decapitou ainda viva. E assim nascia Maria Bonita, nome que se popularizou com os jornais que noticiaram a morte de Maria, mas que jamais foi usado pelo bando ou por sua família.
Neste ano de 2022, completam-se 83 anos da morte da menina ultrajada e espancada que se tornou a rainha do cangaço.
Maria Bonita é o protótipo mais fiel da mulher nordestina que por muito tempo sofreu com as agruras da vida e se reinventou pela sua própria força e determinação. Uma mulher que foi capaz de amansar o coração da mais temida fera do sertão e que de tão apaixonado era capaz de lhe dar o mundo.
E pessoalmente para mim, que carrego o nome de um dos amigos do casal, que sempre os recebia em sua casa junto com todo o bando, quando estavam de passagem pelo sertão da Paraíba, foi uma grande surpresa ouvir o novo trabalho da banda amapaense Mini Box Lunar, que acabou de lançar o EP Maria Bonita, com 6 faixas que, de uma forma ou de outra, trazem referências a este ícone da cultura popular nordestina.
Começando pela capa que traz a belíssima arte gráfica de Rodrigo Aquiles, percebe-se de imediato que o álbum traz todas as cores e leveza da cultura popular, no azul celeste da seda e nas estrelas que ornavam os sertões e os chapéus dos cangaceiros; sem perder a força da feminilidade da mulher brasileira, representada pelas rendas, flores e pelo semblante sério de olhar penetrante no registro fotográfico em preto e branco de Maria.
O EP, que tem direção e produção musical de Otto Ramos, também é uma homenagem da banda ao produtor Carlos Eduardo Miranda – aquele que participava como jurado técnico do programa Ídolos, no SBT, e que morreu em 2018, tendo produzido e ajudado a levar o nome da Mini Box Lunar para todo o Brasil.
Contemplado pela Lei Aldir Blanc, por meio do Edital003/2020 da Secretaria de Estado de Cultura (Amapá), o disco, como já foi citado anteriormente, traz 6 faixas, abrindo com a música que dá título ao trabalho, Maria Bonita.
Antes de falar de cada música, para quem ainda não conhece o som da Mini Box, algumas informações ajudam a entender o clima que envolve este disco. A banda amapaense já tem mais de 15 anos de carreira, tendo participado de vários festivais do circuito alternativo. Atualmente é formada pelos músicos Heluana Quintas (vocais); Alexandre Avelar (guitarras); Ppeu Ramos (bateria/percussão); Helder Melo (baixo) e Otto Ramos (teclados/sintetizadores).
Toda a estética da banda remete ao grandes nomes do Tropicalismo – dos Mutantes a Tom Zé, passando pelos Novos Baianos e pelos Doces Bárbaros (Caetano, Gil, Gal e Bethânia) – mas também por experimentalismos da Vanguarda Paulistana (Itamar Assumpção, Arrigo Barnabé, entre outros) e com a pegada regionalista de ritmos do Pará e Amapá, como a guitarrada de Manoel Cordeiro, o brega pop de Wanderley Andrade e o marabaixo do Mestre Pavão e de Laura do Marabaixo (que faz uma participação toda especial na faixa “Festejo”.
Evidentemente, as influências da banda como um todo ultrapassam todas estas fronteiras citadas e transcende em uma musicalidade ao mesmo tempo doce, forte e alegre, boa de ouvir e de dançar.
Dito isto, vamos às músicas!
“Maria Bonita” é um frevinho bem compassado em marcha que vai chegando de mansinho e tomando de assalto todo o espaço – assim como faziam os cangaceiros ao invadir os pequenos povoados da caatinga. A música como um todo, lembra muito as cantigas tradicionais de ciranda muito populares no interior nordestino, especialmente na região de Paulo Afonso (BA), onde a rainha do cangaço nasceu e viveu até os 18 anos, quando fugiu com Virgulino. Destaque também para o arranjo de teclados e guitarra que fazem uma referência às tradicionais bandas de pífano daquela mesma região.
A segunda faixa, “Corra”, é uma espécie de ska que se funde com o brega paraense, trazendo, já de cara, um tom de alegria (ainda que sob frases imperativas). Gosto da letra em que, ao mesmo tempo que traz os tais imperativos tão comuns nas publicidades e redes sociais dos nossos tempos atuais, faz um chamado pra uma conversa ao pé do ouvido, naquele cantinho escuro do boteco, perto da vitrola.
Em “Festejo”, terceira faixa do disco, temos a participação de Laura do Marabaixo. O que me chamou atenção nesta música, além da referência sutil ao ritmo amapaense, foi o arranjo sobreposto por uma levada carnavalesca ao estilo dos Novos Baianos (inclusive a voz da Heluana Quintas lembra muito a da Baby nessa música) e, especialmente a sacada do refrão em que a banda consegue sair do lugar comum e faz com que Laura transcenda os cantos tradicionais do marabaixo e entre num clima bem próximo ao psicodelismo.
A quarta música é a minha preferida. “Fada”, é um samba-rock que nos traz uma certa saudade dos bons tempos do Jorge (quando ainda era só Ben) e do Simonal. Destaque para o cavaquinho de Jefferson Shory e para a guitarra de Alexandre Avelar que muito me lembrou Carlos Santana em “Samba Pa Ti”. A música traz ainda a participação de Elysson Perera nos backing vocals.
Elysson também participa da quinta música do disco, “Folk da Escada”, um folk rock com pegada foxtrote e country. A letra é uma das mais criativas de todo o disco. A música entra como que para lembrar que, mesmo com todos os experimentalismos, a Mini Box Lunar é, em essência, uma banda de rock – ainda que não reivindique nenhum rótulo para si.
Por fim, o disco volta para o universo do cancioneiro popular com “A Rosa”, numa releitura urbana da cantiga popular de ciranda do “Cravo e a Rosa”. O arranjo de teclados aqui é o que mais marca presença e faz com que o disco deixe um gostinho de “quero mais”.
Penso que Maria de Déa ficaria vaidosa com a homenagem e que Miranda, em algum universo paralelo, esteja, a essa altura, orgulhoso de ter conhecido e trabalhado com a Mini Box Lunar. Parabéns a todos os envolvidos no projeto!

FICHA TÉCNICA
Direção e produção Musical: Otto Ramos
A Mini Box Lunar é:
Heluana Quintas | https://www.instagram.com/heluana/
Alexandre Avelar | https://www.instagram.com/alexandre_d21/
Ppeu Ramos | https://www.instagram.com/ppeuramos/
Helder Melo | https://www.instagram.com/heldermelol…
Otto Ramos | https://www.instagram.com/ottoramos/
Participações:
Elysson Perera: Backvocals em Fada e Folk da Escada
Jefferson Shory: Cavaquinho
Laura do Marabaixo: Back Vocal em “Festejo”
Estúdio de Gravação: Poliphonic Records | https://www.instagram.com/casapolipho…
Design de Capa: Rodrigo Aquiles | https://www.instagram.com/rodrigoaqui…
Produção Executiva: Duas Telas Produções | https://www.instagram.com/2telasprodu…
Vídeo / Registro e Distribuição: Augusto Máximo | Go Augusto | https://www.instagram.com/go_augusto/

Em Infinito Migrar, Júnior Cordeiro derruba todas as fronteiras entre o sertão e o deserto

“Bismillah ar-rahmaan ar-raheem: Al-hamdu lillahi rabb al-alameen…” (“Em nome de Deus, o Clemente, o Misericordioso: Louvado seja Deus, Senhor do Universo…”) – diz o beduíno, recitando o Corão, recurvado sobre a fina areia do deserto, voltado em direção à Meca, nas primeiras horas do fajr (a oração ao amanhecer).
“Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo! Para sempre seja louvado! Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo…” – diz o vaqueiro, olhando para o céu, com o chapéu de couro numa mão e fazendo o sinal da cruz com a outra, nas primeiras horas do raiar do dia.
Nas mesquitas distantes da África saariana, uma voz solitária entoa um canto de louvor e de lamento. Enquanto em meio ao burburinho da feira de mangaio, um cego repentista entoa um improviso:

“Vou viajar, na minha imigração
E quero passar no Japão
E ver a beleza de lá.
Pra Gibraltar,
Quero um cantador mouro,
Vestido em jibão de couro
Pra romper no alto-mar…”

Então desperto; abro os olhos e vejo que estou com o meu celular na mão e com os fones no ouvido, ouvindo Infinito Migrar, o oitavo disco de Júnior Cordeiro, antes de tudo, poeta; mas também cantador, cantor, compositor, escritor, roqueiro… um artista completo, enfim.
Nesse novo álbum, Júnior Cordeiro – músico que vem se destacando nacionalmente no cenário musical, referenciado por gente de peso, que entende de música, como o crítico musical Régis Tadeu – traz toda a magia do imaginário popular cordelista que mescla elementos da caatinga e do deserto em músicas fortes como um coice de jumento e suaves como os passos de um camelo.
O disco traz 13 faixas – todas de sua autoria – que repetem a receita de todos os discos anteriores de Cordeiro – no sentido de serem, todos, discos temáticos. Em Infinito Migrar, encontramos como tema principal essa influência mourisca-andaluza-lusitana no imaginário popular nordestino. E que mistura rica! Rica em timbres, melodia, ritmos e harmonias às vezes polifônicas, às vezes homofônicas, outras vezes dissonantes e frequentemente sampleadas e distorcidas – porque, afinal de contas, Infinito Migrar é, em essência, um disco de rock, onde a presença das guitarras melódicas e distorcidas de Giordano Frag mais uma vez são presença marcante.
De tão diversa e rica, a musicalidade de Júnior Cordeiro é difícil de ser definida. É rock progressivo regionalista? É xote-chachado-baião metalizado? É pop, balada, hard blues?… – impossível resumir a obra desse matuto com pinta de rock-star. Júnior Cordeiro é um músico “agênero” (se me permitem um neologismo) e atemporal.
Mas vamos falar do disco!

Já na capa, a artista plástica Leticia Pantoja concebeu e elaborou uma arte que, de alguma forma lembra a estética onírica do ibérico catalão Salvador Dali. A arte traz elementos que sintetizam, num único olhar, elementos como as areias do deserto, com as cores da caatinga; as águas do mediterrâneo (ou, quem sabe, do Rio Taperoá); uma ave migratória que tanto pode ser um gavião do Cariri quanto um falcão do deserto e parte de um rosto feminino, de lábios carmin-andaluz, cuja pele é marcada pelas andanças dos nômades (sertanejos ou tuaregues) representada por um mapa em marca d’água. Por fim, o quadro se fecha numa fachada em pórtico ao estilo de Alhambra.
A primeira faixa, intitulada “No Rastro da Lua (Blues Mourisco)”, começa com um repente à capela evocando Euterpe, deusa grega da poesia – o que, de certa forma, reforça as raízes caririzeiras de Cordeiro, natural de São João do Cariri (a Atenas do Cariri Velho). Além do repente, evoca a figura do mouros e beduínos em um arranjo que muito lembra uma psicodelia repaginada.
Na sequência imediata, a segunda faixa, “Dança dos Milênios”, entra como se fosse uma continuação da primeira e traz um refrão que beira o romantismo das cantigas de amigo dos menestréis medievais – e o mais importante: Sem ser piegas!
“Na Volta do Sonho”, a terceira faixa, é um rock pesado quase que no sentido tradicional da expressão. E essa trinca de músicas que abre o disco fecha a primeira quadra com “Entre a Cruz, a Lua e o Candelabro (Martelo Alagoano)”, numa mistura perfeita dos diatonismos árabes e nordestinos. Sem falar do refrão que ganha tons de pós-modernidade ao misturar galope rasante com um remix eletrônico – você acha isso impossível? Então você ainda não viu nem ouviu nada!
Se você alguma vez na vida se admirou da pequena miragem que o calor do sol faz em contato com o asfalto, numa estrada, dando-lhe uma aparência molhada, vai se identificar com a quinta faixa, “Miragem do Asfalto”, onde o solo de sax do Luiz Sarayva, consegue levar a urbanidade pro deserto e vice versa. Luiz Sarayva, aliás, está impecável também nas flautas que se destacam em “Temperada dos Trópicos”, sétima música (da qual vou falar daqui a pouco).
Antes vem a sexta, “Sem Lei, Nem Rei (O Eldorado)”, um baião que nos remete ao País de São Saruê de 1971 (e viva o cinema novo de Vladimir Carvalho!), além de evocar a lenda messiânica de Don Sebastião e o “Eldorado” de Pedra Bonita (e viva a literatura de José Lins do Rego!).
Em “Temperada dos Trópicos”, sétima faixa, além das flautas de Luiz Sarayva que remetem aos pífanos das feiras livres (tanto da península ibérica medieval quanto do nordeste hodierno), temos a presença da “galega”, termo que alude às mulheres da região da Galícia, na divisa de Espanha e norte de Portugal. O termo remete a pessoas (na música, especificamente à mulher) de pele clara com sangue mourisco, ou seja, ibéricos mestiços com árabes que povoam o noroeste da península desde o século IV d.C. E como não falar da presença do doce cello de Lais Oliveira?! Ela, já havia dado o ar de sua graça no disco anterior de Cordeiro (#CâmaraEco; 2021) e agora, com certeza, vem dar ainda mais leveza tanto em “Temperada dos Trópicos” quanto em “O Oito Deitado”, décima segunda música?! Mas “Temperada” é, não apenas, a mistura das galegas da Galícia, mas a própria mulher brasileira. E Júnior Cordeiro retrata muito bem tudo isso na letra da música.
“Suçuarana”, oitava música, traz a onça parda castanha que reina soberana nas matas nativas do sertão e nas obras de Ariano Suassuna. Seu porte de elegância esguia pode ser comparado ao da Moura Encantada, figura bastante popular do folclore lusitano que, assim como a suçuarana, devora suas presas depois de seduzi-las.
A nona música, “Infinito Migrar”, que dá nome e consistência ao disco é um tradicional galope a beira-mar (estilo de poesia popular nordestina) que dialoga com uma base totalmente hard-rock e que desemboca num galope rasante (outra vertente da poesia popular nordestina) – coisas de Cordeiro.
“Eterno Mar, Eterna Luta”, a décima, é um baião moderno misturado com hard-jazz – como eu disse antes, a musicalidade de Júnior Cordeiro é muito difícil de se encaixar em rótulos.
Finalmente, chegamos à última trinca, com “Freyriana Primeira (Galope Mourisco)”, a décima primeira faixa; “O Oito Deitado”, décima segunda e “Faminto de Mundo”, décima terceira e última.
“Freyriana” é um galope ligeiro que fala de elementos do folclore brasileiro, de expressões africanas e do universo mítico retratado em Casa Grande & Senzala, de Gilberto. Mas bem que poderia ser uma referência ao mesmo universo explorado pelo educador Paulo Freyre (conterrâneo de Gilberto) e que, em seus experimentos pedagógicos, buscava na tradição popular os elementos linguísticos mais adequados para alfabetizar as camadas mais pobres da população brasileira.
“O Oito Deitado” é uma música diferente. É quase uma rapsódia. É uma música dentro da outra. Começa com uma peleja de violeiros entre Júnior Cordeiro e o repentista Felipe Canário do Império (numa participação especialíssima), aos moldes de Zé Limeira, o Poeta do Absurdo e, quando menos se espera, se transforma num algo indefinido, suave e bruto, marcado pela percussão pulsante de Sandrinho Dupan, que dialoga com a bateria difusa de Kamillo Lima e com o cello de Lais.
Por fim, “Faminto de Mundo” fala de Pindorama, o paraíso perdido dos antigos povos tupis-guaranis. É uma música suave como o entardecer no Lagedo de Pai Mateus ou no Vale dos Reis de Gizé.
No fim, a sensação que fica é que os poucos mais de 6 mil quilômetros que separam o Cariri paraibano do deserto do Saara não é uma lonjura tão grande. E que nesse mundo de hoje, onde tanta gente ainda vive um “migrar infinito” sempre em busca de melhores condições de vida, as distâncias geográficas e as fronteiras étnicas e culturais precisam ser urgentemente derrubadas para que todos possam, quem sabe um dia, tratarem-se como irmãos, filhos de um mesmo Pai – seja este chamado de Javé, Oxum ou Alah.

FICHA TÉCNICA:
Músicos: Júnior Cordeiro (vozes e violões aço e nylon chorus), Giordano Frag (guitarras), Moisés Freire (viola de 12 e guitarras), Cris Lima (Teclados), Max Dias (baixo), Kamillo Lima (bateria), Luiz Sarayva (flautas), Sandrinho Dupan (percussões) e Laís Oliveira (Violoncelo).
DIREÇÃO MUSICAL E ARTÍSTICA: Júnior Cordeiro
PRODUÇÃO MUSICAL: Júnior Cordeiro e Moisés Freire
PRODUÇÃO EXECUTIVA: Alma Nua Produtora
ENGENHEIRO DE GRAVAÇÃO: Moisés Freire
MIXAGEM: Moisés Freire e Júnior Cordeiro
CONCEPÇÃO E ELABORAÇÃO DA ARTE DA CAPA: Leticia Pantoja
PROJETO GRÁFICO E ARTE FINAL: Álisson Lima
FOTOGRAFIA: Cássio Nogueira (Prysma Mídia)
ARREGIMENTAÇÃO: Júnior Cordeiro, Giordano Frag, Cris Lima e Moisés Freire

Gravado e mixado no MF Estúdio, em Campina Grande-PB, entre julho e novembro de 2021
Masterizado por Reco-Master

DISPONÍVEL EM TODAS AS PLATAFORMAS. EM BREVE TAMBÉM EM VINIL 180g

Quem cuidará?

Cultura… Uma palavra que vem da terra.

O latim, língua mãe da nossa língua, transformou o colere (de “vigiar, cuidar, acompanhar o crescimento de uma planta”) em cultura (de “colheita, agricultura”) dando também um sentido metafórico de “cuidado, ato de honrar”. Assim, tudo que vem, direta ou indiretamente, da terra – sejam plantas ou coisas do bicho-humano – é chamado de cultura.

Gosto da poesia que a metáfora primitiva nos proporciona ao nos fazer enxergar a cultura como um ato de cuidado e de honra, acima de todos os modismos e padrões impostos pela famigerada indústria cultural, goela abaixo de uma sociedade de consumo criada por essa mesma indústria e retroalimentada incessantemente pelos meios de comunicação de massa.

A arte, em todas as suas formas de expressão, e como produto genuíno de um povo, deve ser, acima de tudo, cuidada e honrada. E, uma vez que vivemos num modelo de organização social onde o Estado tem, como um de seus papeis, zelar pelos interesses do povo que o mantém, é seu dever – em todas as suas instâncias (federal, estadual e municipal) – cuidar e honrar a cultura de seu povo. Infelizmente, a realidade é bem diferente…

De um lado, vemos uma tendência geral da própria sociedade em diminuir a importância da cultura – sobretudo das artes – como resultado da industrialização e massificação dos chamados “produtos culturais”. De outro, uma gestão pública que burocratiza e engessa a coisa pública aos moldes de empresa – o que não é (ou, pelo menos, não deveria ser).

Para piorar mais um pouco, surge um novo cenário que pega todo mundo de surpresa – a pandemia – com o fechamento necessário de diversos segmentos funcionais da sociedade, incluindo é claro, os inúmeros estabelecimentos ligados à arte e cultura. Um contingente de artistas, técnicos e produtores culturais se viu totalmente desamparado de uma hora para outra.

Na música, dos mega-produtos do sertanejo, forró, axé, etc. até o músico da noite que bate cabeça de bar em bar aguentando porre e os técnicos de som e luz, todos tiveram suas agendas de trabalho canceladas. O mesmo se deu com as artes plásticas e cênicas que tiveram suas exposições e performances adiadas indefinidamente. Também não foi diferente para poetas e escritores que, já tendo uma enorme dificuldade para publicar seus trabalhos, tiveram que adiar até mesmo seus projetos independentes por causa da paralisação de editoras e gráficas.

Diversos países se apressaram a prestar apoio a estes trabalhadores – sim, artistas também são trabalhadores! – Aqui no Brasil, a pouca ajuda que veio, veio em conta-gotas ou em alguns casos – o que é pior – em cartas marcadas.

A Fundação Municipal de Cultura (Fumcult), aqui em Macapá, publicou em junho um edital de chamada pública para um “Prêmio Artístico Cultural em Tempo de Pandemia”. O resultado divulgado no último dia 23 de setembro mexeu com o ego artístico de muitos inscritos. E, logo, a polêmica se instalou nas redes sociais e na imprensa – como, naturalmente, já era de se esperar.

O edital tinha uns pontos cegos que já haviam gerado uma certa polêmica na época de sua publicação, mas o resultado da premiação divulgado no último dia 23 gerou uma reação de inconformismo, revolta e suspeita de favorecimentos ilícitos por parte de alguns artistas em relação ao diretor-presidente da Fumcult, Alain Cristophe que, logo em seguida, entregou o cargo.

Diante da sede da Fumcult, a poetisa Carla Nobre mostrou toda sua indignação com o resultado do certame. Num vídeo amador rapidamente espalhado na internet, a escritora alega falta de transparência no processo de curadoria e enfatiza que a classe artística não vai aceitar que ninguém “cague” em suas cabeças – “Não venham cagar em nossas cabeças!”, disse Carla.

A reação à fala da escritora foi vista de forma negativa e hipócrita por diversas pessoas. Acharam feio a poetisa falar palavrão. Por certo preferissem uma declamação de algum poema mais “limpinho” – o que me faz lembrar de Belchior em “Apenas um rapaz latino-americano” que dizia: “Não me peça que eu lhe faça uma canção como se deve: Correta, branca, suave, muito limpa, muito leve. Sons, palavras, são navalhas e eu não posso cantar como convém, sem querer ferir ninguém…”

Na minha opinião (e não deixando passar em branco o trocadilho), o que Carla fez diante da Fumcult foi tão nobre quanto seu sobrenome! Ela usou a palavra certa e adequada para expressara indignação de grande parte da classe artística que se sentiu mais uma vez órfã de apoio à cultura.

Em nenhum momento do vídeo Carla Nobre ataca a pessoa Alain Cristophe ou seus atributos sexuais, mas sua gestão – o que é bem diferente. Mas não demorou muito para que a coisa toda descambasse para o plano pessoal e, o que é pior, misógino…

Não ficou claro se foi o próprio Alain ou alguém que se ofendeu por ele, mas alguém se referiu à artista como “a fedorenta do sexo”. Numa postagem do Facebook, Carla Nobre escreveu: “Ser chamada de A FEDORENTA DO SEXO por gente que apoia quem caiu da cultura de Macapá hoje porque não sabe assinar documento, chega a ser elogio…”

Daí eu fico pensando: “Como é que um protesto legítimo de uma artista reivindicando seus direitos diante do poder público resvala para o terreno sexual?” Bem, sendo eu um psicanalista só posso dizer: “Freud explica!” Enquanto ainda me admiro da mentalidade machista que ainda perpassa todos os segmentos da nossa sociedade. Não importa se o sujeito é de direita ou de esquerda; se é reacionário ou de vanguarda; se tem “um nome a zelar” ou é um “Zé Povinho”, a verdade é uma só: Somos uma sociedade misógina, racista, homofóbica e cada vez mais aculturada. E se cultura é sinônimo de cuidar e honrar, infelizmente ainda estamos muito longe de encontrar alguém nesse cenário que assuma este tão virtuoso papel.

Penso, logo…

Dia Mundial da Liberdade de Pensamento | 14 de julho - Calendarr

… posso ser preso – pelo menos no país em que pensar é privilégio de poucos. Se ontem foi o Dia Internacional do Rock’n’roll – estilo musical que sempre foi símbolo da liberdade – hoje, pelo menos no calendário de efemérides do Brasil, é o Dia da Liberdade de Pensamento.

Em tese, é a liberdade que todos nós temos de manter e defender nossa posição diante de um fato, um ponto de vista ou uma ideia, independente das visões dos outros.

Está lá na Declaração Universal dos Direitos Humanos (artigo XVIII): “Todas as pessoas têm direito à liberdade de pensamento, consciência e religião”. E isso é tão elementar e importante para a democracia que vários países a incluíram em suas Constituições – até mesmo o Brasil de antigamente.

No Brasil atual, porém, a realidade é bem diferente e cada vez mais distante de tudo aquilo que está escrito na Carta Magna. Está cada vez mais difícil pensar nesse país. Está cada vez mais difícil de manter e defender nossa posição sem que alguém se sinta ofendido e nos acuse de estarmos fazendo propaganda político-ideológica – quando esse mesmo tipo de acusação é feito por outras pessoas totalmente idiotizadas por ideias político-ideológicas também.

Não importa se quem está na nossa frente é de direita ou de esquerda: A patrulha ideológica do “politicamente correto” está aí, para censurar nossa liberdade de pensamento e nossa liberdade de expressão.

Vinícius

Morte de Vinicius de Moraes | Acervo O POVO Online

Há 41 anos morria “O Poetinha”. Mas poeta não morre nunca. Nem a poesia! Hoje eu vi na Wikipedia que, no Brasil, 9 de julho é o Dia do Sonhador. Nada mais apropriado para um poeta que morreu exatamente nesta data, como a dizer que sua vida, sua obra e sua morte não passam de um sonho eterno… Viva Vinícius de Moraes!